sexta-feira, 18 de maio de 2018


BEBA SUCO DE LIMÃO TODOS OS DIAS SE TIVER UM DESTES 16 PROBLEMAS DE SAÚDE'

Vamos agora falar do limão.
Esta fruta cítrica é riquíssima em vitamina C.
Apesar de ser ácido no sabor, quando entre no organismo, torna-se alcalino para o corpo.
A casca do limão é composta por um óleo essencial chamado "limonemo", que nos protege, entre outras coisas, do câncer.
Isso não é maravilhoso?

O limão tem potentes propriedades antioxidantes.
 
Além disso, é rico em substâncias antibióticas que ajudam a combater diversas doenças.
Neste post, vamos mostrar uma pequena lista de benefícios do limão:
 
1. Reduz a aziaBasta misturar um copo de água morna com duas colheres (chá) de limão espremido na hora.
2. Trata asma
Alivie a asma tomando uma colher (sopa) de suco de limão uma hora antes de cada refeição.
3.  Alivia disenteria
Basta beber uma xícara de suco de limão duas a três vezes.
Você também deve beber muita água.
4. Diminui dores nos calcanhares
As mulheres que usam salto alto podem sentir muitas dores no calcanhar ao fim do dia
A dica é: esfregue uma fatia de limão sobre a parte afetada.
Isso também irá incentivar a eliminação de toxinas dos poros de seus pés.
Mas só faça isso à noite.
E, depois, lave muito bem.
5. Combate resfriado
Esprema dois limões frescos em meio litro de água morna.
Adicione mel de abelhas puro para dar mais sabor.
Feito isso,  tome a bebida antes de ir para a cama à noite.
As propriedades antivirais de limão são eficazes contra o resfriado, aumentando a força do sistema imunológico.
6. Combate prisão de ventre
Quer alívio imediato no problema de prisão de ventre?
Beba uma mistura de suco de limão com um copo de água morna.
Não deixe de acrescentar o mel (se não tiver diabetes), pois ele dá um sabor mais agradável.
Beba antes do café para proporcionar alívio imediato.
Além de acabar com a prisão de ventre, o corpo também vai ser desintoxicado no processo.
7. Melhora a digestão
O limão alivia a indigestão e você pode sentir seu corpo desinchar depois de consumir o suco.
8. Relaxa os pés
Você pode mergulhar os pés em uma solução de água quente com limão.
 
Pode ter certeza de que seu corpo ficará mais relaxado, acabando com qualquer tensão ou ansiedade.
Mas faça isso sempre à noite.
E, depois, lave muito bem com água.

suco_de_limao.jpg

9. Nutre a pele
Se você tem uma pele seca e escamosa, esfregue a casca do limão porque ela atua sobre a pele, deixando-a mais macia e sedosa.
Não se exponha ao sol.
Portanto, faça isso sempre à noite, lavando muito bem depois com água.
10. Reduz o inchaço das gengivas
Você pode aliviar suas gengivas inchadas bebendo  uma mistura suco de limão espremido na hora com um pouco de água.
 
Se o problema for na garganta, um gargarejo com água quente e suco de limão - com a mesma quantidade de cada - alivia a dor.
 
11. Trata inflamações
Limão é eficaz no combate a problemas inflamatórios, como artrite, reumatismo, ciática e assim por diante.
Além disso, reduz o risco de gota inibindo a acumulação de ácido úrico nos tecidos do corpo.
12. Elimina aftas
Simplesmente aplique suco de limão sobre elas três vezes por dia.
13. Combate dor de garganta
Se sentir que que sua garganta vai inflamar, esprema em meio copo de água (100mL) um limão e faça gargarejo até que termine o líquido.
Prossiga com este tratamento por três dias.
14. Evita rachaduras nos lábios
O limão vai hidratar seus libro e evitar que eles fiquem rachados no frio.
Basta aplicar suco de limão todas as noites e logo você perceberá como seus lábios estarão hidratados e mais bonitos.
15. Fortalece as unhas
Coloque as unhas dentro de um copo de suco de limão e deixe assim durante 15 minutos.
Isso, além de fortalecê-las, vai eliminar o feio amarelado que de vez em quando toma conta delas.
Faça o tratamento duas ou três vezes por semana, sempre à noite (lave muito bem depois).
Dica importante: quando fizer o suco, aproveite a fruta por inteiro, pois a casca é muito poderosa.
No entanto, neste caso, o limão deve ser orgânico.
Para que o suco não fique amargo com a presença da casca, bata rapidamente no liquidificador - se bater por muito tempo, o gosto ficará ruim.
Caso você tenha alergia a frutas cítricas, não consuma nada com limão.
16. Elimina pedras nos rins
Consumir limonada diariamente pode prevenir ou reduzir o desenvolvimento de cálculos renais.
O uso regular da limonada aumenta a quantidade de citratos na urina, inibindo a formação e precipitação de cristais, que ao longo do tempo aumentam de tamanho e se tornam pedras e cálculos.
Os cálculos renais se formam quando a urina fica concentrada de sais, que cristalizam se a urina não tiver substâncias que evitem a formação deles, como o citrato.
E o limão é rico em citrato de potássio.
Por isso, para quem sofre com pedras nos rins, é tão importante tomar limonada diariamente.

Por que o uso de agrotóxicos aumenta o número de pragas, na visão deste pesquisador

Perguntamos ao criador da palavra ‘agrotóxico’ quais são os efeitos negativos que essas substâncias químicas podem ter sobre as lavouras


adilson-paschoal-esalq (Foto: Rogério Albuquerque/Ed. Globo)
Na metade da década de 1970, com um Ph.D. em ecologia e conservação de recursos naturais pela Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, o engenheiro agrônomo Adilson Paschoal voltou ao Brasil decidido a se aprofundar na área de agroecologia. Na época, essa palavra ainda não existia, mas os conceitos estavam muito claros para Adilson. “Eu vim com uma bagagem muito boa”, diz.
De Ohio ele foi diretamente para a Esalq, onde tinha se formado e passou a dar aulas de Ecologia e Conservação de Recursos Naturais, curso pioneiro criado por ele e que precisou esperar dez anos para se chamar Agroecologia e Agricultura Orgânica. “Ainda não havia aqui no Brasil a aceitação de uma agricultura de base ecológica. Ainda estava no comecinho dos conceitos.”
Outra coisa que não havia era um termo preciso para indicar a toxidade dos agroquímicos utilizados nas plantações. O que havia eram diversas palavras como “pesticidas” e “praguicidas”, que passaram a ser chamadas de modo genérico pelo eufemismo “defensivos agrícolas”.
Agrotóxicos têm sentido geral para incluir todos os produtos químicos usados nos agrossistemas para combater pragas e doenças"
Adilson Paschoal
Foi aí que Adilson propôs uma palavra que, além da precisão científica, funcionava de alerta aos consumidores sobre a presença de um componente “tóxico” nos alimentos. Estava criado o “agrotóxico”, proposto pelo professor em um artigo publicado em 1977.

Dois anos depois, no livro Pragas, praguicidas & a crise ambiental, Adilson explicou: “agrotóxicos têm sentido geral para incluir todos os produtos químicos usados nos agrossistemas para combater pragas e doenças. O termo é uma contribuição útil, já que a ciência que estuda esses produtos chama-se toxicologia.”
Mas o trabalho ia muito além disso. O livro revelava uma informação surpreendente: o uso de agrotóxicos na agricultura não só não combatia efetivamente o número de pragas em uma lavoura como liquidava seus predadores naturais. Sem esses predadores, os organismos que atacam a lavoura e resistiram ao agrotóxico passam a crescer sem resistência. Assim, os agrotóxicos criaram um desequilíbrio ecológico e aumentaram o número de pragas quando passaram a ser aplicados em grande escala, diz o professor.
Na biblioteca do antigo departamento de Zoologia da Esalq, montada pelo próprio Adilson, GLOBO RURAL perguntou: como o senhor chegou a essa conclusão? E ele respondeu.
Imagine uma planta ao longo do período evolutivo dela. Ela apareceu pela primeira vez na natureza e oferece um ambiente para outro organismo poder viver dela. Agora imagine que apareça um inseto que vai se alimentar dessa planta. Se esse inseto conseguir alimentar-se dela toda, a planta desaparecerá como espécie.

Mas no processo evolutivo essa planta se manteve, porque ela passou a produzir substâncias contra esse inseto que está se alimentando. Nós sabemos que isso existe. A nicotina, por exemplo, é tirada do tabaco. A piretrina vem do crisântemo. Então toda planta tem uma substância de defesa.

Se essa planta produz isso, o que aconteceria com esse inseto? Ele deveria ser expulso. No entanto, ao longo do processo evolutivo, esse inseto, ou outra espécie que seja, desenvolve um mecanismo para se desintoxicar dessa substância. É um mecanismo bioquímico.

Então, a planta produz substância contra o inseto, um ácaro, um nematoide etc. E ele produz um mecanismo para desintoxicar-se. Isso se chama cooevolução. Ou seja, uma evolução conjunta. A planta juntamente com o organismo que se alimenta dela.

Agora, adicione uma vespa que se alimenta desse inseto e você tem a mesma coisa. Se ela for altamente eficiente capturando o inseto, ela exclui o inseto. Mas o inseto, por sua vez, adquire um mecanismo para se defender dessa vespa, o que também é uma cooevolução. Só que desta vez é a coevolução de um predador com um herbívoro. Esse inseto cooevoluiu com a planta. Agora a vespa, inimigo natural do inseto, cooevoluiu com a praga e não com a planta.



Então entra o homem na história. Ele aplica o agrotóxico nesse ambiente. O que o agrotóxico matará mais? A praga ou o predador natural da praga? Quem morre mais é a vespa, o inimigo natural da praga. A vespa não tem o mecanismo para se defender das toxinas que o homem tirou da planta e agora aplicou no ambiente total. Morre o inimigo natural e a praga permanece.
O que o agrotóxico matará mais? A praga ou o predador natural da praga? Quem morre mais é o inimigo natural da praga"

À medida que o homem faz isso em grande escala, ele elimina os inimigos naturais. Eles são mortos 100% porque não têm mecanismo de pré-resistência. A praga tem, então cerca de 80% dela morre.

Os agrotóxicos criaram um desequilíbrio ecológico e geraram pragas quando passaram a ser aplicados em grande escala. Eles aumentaram o número de pragas.

Outra explicação para isso envolve os adubos minerais aplicados na planta. Por exemplo, um adubo à base de nitrogênio: nitrocálcio, ureia, sulfato de amônio, esse tipo de coisa. A planta absorve tudo isso. Vai ficar na seiva da planta.

Agora imagine um pulgão que está sugando a seiva da planta. Pode ser um ácaro, um nematoide. O pulgão só se alimenta daquilo que está disponível na seiva. Ele não é capaz de fazer como um gafanhoto, que come e digere a folha. O gafanhoto consegue pegar a proteína da folha e transformar em aminoácido de gafanhoto. Agora, esses que sugam não têm isso. Ele não digere, ele precisa do material pronto.

Então, quando eu forneço adubo solúvel, principalmente nitrogenado, eu vou aumentar a quantidade de alimento para o pulgão, para o ácaro. Então o adubo solúvel aumentou a praga. O agrotóxico com o adubo aumenta o número de pragas.

E o terceiro fator é a variedade. Antes era variedade resistente, agora é variedade de alta resposta ao adubo.

O Brasil terá os próximos dias de baixa temperatura podendo até gear

frioO frio do outono está atrasado, mas chega com bastante força sobre a América do Sul neste próximo fim de semana com uma grande e forte massa de ar polar. A previsão é de que esta massa polar se divida em dois centros e um deles se desloque para o norte da Argentina. É esta trajetória especial que vai fazer com que o ar frio chegue com mais força ao Brasil e se espalhe por mais áreas pelo interior do país. A região onde o ar frio será mais forte, vai passar sobre a Região Sul e sobre parte da Região Sudeste entre os dias 21 e 23 de maio fazendo a temperatura cair muito.
Esta forte massa de ar de origem polar vai fazer grande parte do Brasil esfriar muito e também vai reduzir a disponibilidade de umidade no ar, o que vai afastar a chuva por vários dias. Mas tudo isto é normal para esta época do ano. Com o ar polar chegando ao Brasil de forma continental, sem se misturar com a umidade do mar, o poder de resfriamento será maior. A queda da temperatura no centro-sul do país a partir do dia 19 de maio será a mais intensa e duradoura de de 2018, até agora. É frio para fazer a temperatura ficar abaixo de zero na Região Sul, para ocasionar geada nos estados do Sul, incluindo a Grande Curitiba, mas também não se pode descartar uma possibilidade de gear no sul de Mato Grosso do Sul, no sul de São Paulo e na Serra da Mantiqueira.

Entre os dias 19 e 23 de maio, a passagem desta massa de ar de origem polar deve estabelecer novos recordes de frio para todas as capitais da Região Sul, do Sudeste, do Centro-Oeste, além de Porto Velho e de Rio Branco. A madrugada do sábado, 19 de maio, já será muito fria e com possibilidade de recordes de menor temperatura do ano nas capitais Porto Alegre do Sul, em Campo Grande Grande e em Cuiabá. Mas as madrugadas do domingo, da segunda-feira e da terça-feira serão geladas no Sul do Brasil, em Mato Grosso do Sul e em São Paulo, e muito frias nas demais áreas do Sudeste, do Centro-Oeste, em Rondônia, no Acre e no sul do Amazonas. De forma fraca, o vento frio de origem polar poderá chegar até em áreas do Pará, do Tocantins e do oeste da Bahia.

 CONTAG apresenta demandas da agricultura familiar para Casa Civil











Para garantir a execução e criação de políticas públicas que garantam direitos e melhorem a qualidade de vida de milhões de agricultores e agricultoras familiares de todo o Brasil, representantes da CONTAG reuniram-se hoje (17) com o Ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e entregaram pauta com nove temas centrais: a recriação do Ministério do Desenvolvimento Agrário; Reforma Agrária; Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER); Habitação Rural; o aumento de recursos para o Pronaf para o Plano Safra 2018/2019; a negociação de dívidas da agricultura familiar; luta contra os agrotóxicos; Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e INSS Digital.
Representaram a CONTAG o vice-presidente e secretário de Relações Internacionais, Alberto Broch, o secretário de Política Agrícola, Antoninho Rovaris, a secretária de Terceira Idade, Josefa Rita da Silva, e a Secretária de Jovens, Mônica Bufon Augusto. Estiveram presentes também o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (FETAG-RS), Carlos Joel da Silva, além da senadora Ana Amélia (PP-RS).

“A CONTAG pautou firmemente o governo federal e cobrou respostas a essas demandas”, afirmou Alberto Broch, que destacou para Eliseu Padilha a importância das questões sobre a Reforma Agrária, assim como das Políticas Agrícolas e Sociais que vão garantir renda e condições adequadas de vida aos trabalhadores(as) rurais. “Na reunião de hoje Padilha apenas nos ouviu com muita atenção e agendou outra reunião para a próxima terça-feira (dia 22 de maio) para aprofundarmos a discussão da pauta e encaminharmos com outros ministérios”, explicou Broch. Também ficou acertada uma reunião para a próxima segunda-feira (dia 21 de maio) com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) sobre o INSS Digital.

Para a secretária de Jovens da CONTAG, Mônica Bufon, é preciso mostrar para o governo que o Movimento Sindical dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (MSTTR) está pronto para defender os direitos de sua base em qualquer circunstância. “Além disso, sabemos que lutar por Reforma Agrária, ATER, PAA, INSS Digital e outras políticas públicas é também lutar pela juventude rural, pois, sem condições de produção e geração e renda, os(as) jovens não ficam na terra”, argumenta a dirigente.

A secretária de Terceira Idade, Josefa Rita da Silva, concorda e acrescenta: “Precisamos mostrar para este governo que os trabalhadores e trabalhadoras rurais estão vivos e muito alerta para seus direitos. Não vamos aceitar calados a retirada de direitos e o desmonte das políticas públicas, para deixar as pessoas do meio rural na miséria”, reforça Josefa.

O secretário de Política Agrícola da CONTAG, Antoninho Rovaris, acredita que a próxima reunião, que contará com a presença de representantes de outras federações, poderá apresentar encaminhamentos efetivos. “Hoje o ministro Padilha demonstrou desconhecer nossa pauta, mesmo que ela tenha sido entregue no dia 3 de abril. Ainda assim nos ouviu atentamente e vai dar continuidade às negociações”, avaliou Rovaris.

Grito de Alerta no Rio Grande do Sul

O presidente da FETAG-RS, Carlos Joel da Silva, destacou que sua presença na reunião de hoje com o Ministro da Casa Civil foi compreendida como parte do processo de mobilização que reúne hoje mais de oito mil pessoas em caminhada na região de fronteira do estado, entre o município de Entre Ijuís e o município de Santo Ângelo. Trata-se do segundo dia do 8º Grito de Alerta, ação realizada anualmente no Rio Grande do Sul. Neste ano, a mobilização tem como objetivo alertar os governos estadual e federal sobre as demandas da agricultura familiar e também sobre questões do País - como corrupção e foro privilegiado - que têm reflexo também nos direitos dos(as) trabalhadores(as) rurais.

“É preciso pressionar para garantir políticas para geração de renda para os trabalhadores rurais, que têm altos custos com diesel, energia elétrica, insumos, mas não têm a garantia de preço final satisfatório. Precisamos melhorar políticas e programas para a agricultura familiar, que hoje ainda têm muitas travas e problemas”, afirmou Carlos Joel da Silva.

Crédito Produtivo Orientado e FGRCRural

Hoje (17) pela manhã também foi realizada outra reunião importante para a agricultura familiar. A Secretaria de Política Agrícola da CONTAG reuniu-se com representantes da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário da Casa Civil (Sead), Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Ministério da Integração e Ministério da Fazenda.

A pauta foram a operacionalização do Crédito Produtivo Orientado de Investimento (Pronaf Produtivo Orientado) e o Fundo Garantidor de Risco de Crédito de Operações de Financiamento de Investimento Rural (FGRCRural).

Dentre os diversos pontos discutidos sobre os dois temas, foram alcançados os seguintes encaminhamentos:

- No dia 14 de junho, durante o Fórum do Crédito, Seguro e PGPAF, o BNDES apresentará experiências exitosas de fundos garantidores. A partir disso, será formado um grupo de trabalho para elaborar proposta de metodologia para implementar o Fundo Garantidor de Risco de Crédito de Operações de Financiamento de Investimento Rural (FGRCRural).

- A Sead garantiu que os juros do Pronaf Produtivo Orientado serão reduzidos de 4,5% para 2,5% ao ano já no Plano Safra 2018/2019.

- Em resposta à demanda da CONTAG pela ampliação do teto de financiamento e da remuneração pelos serviços de ATER, foi encaminhado que os trabalhos serão iniciados com os atuais valores.

- Custeio associado ao Pronaf Produtivo Orientado: questão sanada porque a regra atual permite que até 35% do financiamento do investimento seja destinado ao custeio de atividade produtiva associada ao projeto.

- A CONTAG vai elaborar proposta de monitoramento de avaliação dos resultados dos projetos pilotos, que depois será construída também com o governo.

- Somente as instituições credenciadas no sistema de Gerenciamento e Avaliação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) poderão operar o Pronaf Produtivo Orientado.

- Amanhã (18 de maio), a CONTAG e a gerência de Formação da Anater se reunirão para discutir metodologias e encaminhamentos para a realização de capacitações de multiplicadores do Pronaf Produtivo Orientado.

“A expectativa é iniciar a contratação por meio de projetos piloto estaduais como forma de avaliar os normativos vigentes, as metodologias de ATER e os impactos efetivos e positivos nas vidas das famílias, como geração e apropriação de renda. Essa avaliação vai permitir o aperfeiçoamento do programa no futuro, principalmente no que diz respeito à forma de prestação de serviço de ATER aos agricultores(as) familiares”, afirma Antoninho Rovaris.

O secretário de Política Agrícola da CONTAG informa que esta foi a primeira de uma série de reuniões de trabalho para efetivar a operacionalização do Pronaf Produtivo Orientado nas regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste.


FONTE: Assessoria de Comunicação CONTAG

Inédito código de conduta para a gestão de fertilizantes conta com brasileiro na elaboração

Embrapa - Vinicius (segundo da esq. para a direita) mostrou o uso dos fertilizantes nos trópicos
Vinicius (segundo da esq. para a direita) mostrou o uso dos fertilizantes nos trópicos
Iniciativa da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) elabora o inédito Código de Conduta para a Gestão de Fertilizantes (CoCoFe), semelhante ao que já existe para os pesticidas. O Código vai auxiliar os países na concepção de políticas e regulamentação para o uso sustentável do insumo.
Reunião que aconteceu na sede da FAO, em Roma (Itália), entre os dias 07 e 09 de maio, reuniu 22 especialistas no tema, de áreas que englobam pesquisa, indústria e ONGs, entre outras. O representante do governo brasileiro foi o chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Solos (Rio de Janeiro, RJ) Vinicius Benites. "Procurei mostrar as peculiaridades do uso dos fertilizantes nos trópicos."
Entre as peculiaridades mostradas por Vinicius estão o efeito “poupa-terra” dos fertilizantes e o reaproveitamento de resíduos agropecuários para a produção do insumo.
"Os europeus têm uma visão diferente da nossa", conta Vinicius. "Alguns fertilizantes, como os fosfatos, extremamente importantes para nossa agricultura, são tratados muitas vezes como contaminantes pela Comunidade Europeia". A velha frase em se plantando tudo dá, não é verdade no nosso país. "Nossos solos necessitam de fertilizantes em doses adequadas porque a fertilidade natural da maioria dos nossos solos é baixa ou muito baixa".
O encontro em Roma, que abordou fertilizantes minerais e orgânicos, gerou um documento que será submetido à plenária da Parceria Global pelo Solo, da FAO, em junho.
Alguns dos especialistas que estiveram no encontro do CoCoFe, como Tom Bruceman, presidente do Instituto Internacional de Nutrição de Plantas (IPNI) e William Brownie, coordenador da plataforma ‘Nosso Fósforo Futuro’, estarão no Brasil em agosto para a o VI Encontro do Fósforo Sustentável, em Brasília.

Embrapa Solos

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Plantio de hortaliças é eficiente na captação de carbono para o solo usando o sistema Plantio direto

Hortaliça plantio diretoA horticultura pode sequestrar carbono da atmosfera por meio de sistemas conservacionistas como o plantio direto. Foi o que indicou um experimento realizado durante seis anos por uma equipe de agrônomos da Embrapa, no qual foram comparados diferentes sistemas de produção de hortaliças. O resultado comprovou que técnicas como o plantio direto são mais eficientes em promover o acúmulo de matéria orgânica no solo ao longo do tempo.
Ao fim do sexto ano do experimento, conduzido entre 2007 e 2013, nas condições climáticas do Distrito Federal, os pesquisadores calcularam a quantidade de carbono acumulada no solo levando em consideração uma profundidade de 30 centímetros. Os resultados mostraram que o sistema de plantio direto de hortaliças (SPDH) acumulou uma quantidade de carbono equivalente a 62 toneladas por hectare, contra 60 t/ha do sistema de preparo reduzido (PPR) e 57 t/ha do sistema de preparo convencional com adubação verde (SPC).

A pesquisa mostra que a adoção de sistemas conservacionistas na horticultura tem potencial de sequestrar carbono atmosférico, capacidade até então registrada somente em culturas de maior porte como grãos e cana-de-açúcar. “Podemos inferir que o sistema de plantio direto acumula, por hectare de lavoura, cinco toneladas a mais de carbono no solo do que o sistema convencional, o que é uma diferença significativa em termos de redução das emissões atmosféricas de gases de efeito estufa (GEE) associadas à horticultura”, explica o engenheiro ambiental Carlos Eduardo Pacheco Lima, pesquisador da Embrapa Hortaliças (DF), ao constatar que o plantio direto é uma ferramenta capaz de mitigar os efeitos das mudanças climáticas na produção de hortaliças.

Remédios Caseiros


limpeza do corpo.
O que fazer?
A primeira providência é fortalecer o corpo.
A segunda é descansar.
Para se fortalecer, é bom reforçar a dose de vitamina C consumindo suco de laranja, limão, acerola.
Existem algumas receitas muito boas contra tosse e gripe.
Uma delas é o mingau de alho, limão e pimenta.
Para prepará-lo, você vai precisar de:
INGREDIENTES
5 dentes de alho
1 pitada de pimenta-do-reino moída ou 5 amassadas
1 limão pequeno
1 colher de sobremesa de azeite
2 copos de água
Farinha de mandioca o suficiente para engrossar
Sal a gosto
MODO DE PREPARO
Lave, descasque e amasse bem o alho.
Em uma panela, doure o alho com o azeite, sem deixar ficar escuro.
Acrescente a água, a pimenta e sal.
Quando estiver quase fervendo, adicione, aos poucos, a farinha, tendo cuidado para não deixar o mingau grosso.
Quando atingir o ponto de mingau, deixe ferver por dois minutos e desligue o fogo.
Sirva quente.
Antes de beber, tempere com suco de limão.
Esta receita é um ótimo fortificante.
Rapidamente restaura a força e energia.
Além do mingau, há outras duas ótimas receitas para tosse, gripe e resfriado:
Lambedor ou xarope de ervas
INGREDIENTES
1 pedaço de gengibre de 3-5 centímetros
5 dentes de alho
1 colher (sopa) de alecrim
1 mão cheia de agrião fresco
Meio litro de mel

xarope_ervas.jpg

MODO DE PREPARO
Juntar gengibre e alho ralados, alecrim, agrião e meio litro de mel.
Ferver por cinco minutos, esperar esfriar, coar e tomar uma colher de sopa quatro vezes ao dia.
Se ficar muito grosso, acrescentar um pouco de água antes de ferver.
Depois de pronto, pode-se adicionar umas 30 gotas de extrato de própolis.
É ótimo para adultos e crianças.
Chá especial para gripe
INGREDIENTES
3 dentes de alho descascados e amassados
1 limão
1 pedaço grande de raiz de gengibre
2 copos de água
MODO DE PREPARO
Lavar bem o limão, o alho e o gengibre.
Reservar o limão.
Cortar o alho e o gengibre em pedaços bem pequenos, colocar em uma panela, adicionar a água e ferver por cinco minutos.
Desligar o fogo e jogar o limão cortado em rodelas, com a casca.
Deixar amornar, coar e tomar, sobretudo antes de dormir.
Observação: Não ferver o limão, para não estragar o sabor do chá.

 TEMER: Governo proíbe renegociação de dividas rurais de R$ 17 bilhões em banco público



Sem dinheiro em caixa, o governo federal determinou que os bancos públicos não renegociem dívidas de produtores rurais, beneficiados pela aprovação no Congresso de uma lei que lhes concede descontos de até 95% no saldo devedor. Esses descontos terão de ser bancados pelo Tesouro Nacional, mas não há previsão no Orçamento para isso. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, o custo total para o Tesouro poderia chegar a R$ 17 bilhões, caso todos os produtores renegociassem as dívidas.

A possibilidade de renegociação desses débitos, incluindo parcelas não vencidas, foi incluída na Lei 13.606, que criou o Refis do Funrural – uma espécie de contribuição previdenciária dos produtores rurais. A lei foi aprovada com uma série de artigos que permitiram a renegociação também de dívidas com bancos públicos, sem relação com o Funrural.

Novo fertilizante deve reduzir custos no emprego de ureia

Tecnologia desenvolvida pela Embrapa Solos (RJ) em parceria com a Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), pode gerar grande economia na aplicação de ureia pelos produtores rurais. Cientistas das duas instituições desenvolveram um fertilizante nitrogenado com aditivos incorporados aos grânulos, técnica que reduz perdas de nitrogênio provocadas por lixiviação (carreado em enxurradas) e por volatização.
A inovação da tecnologia é que os inibidores de urease, que evitam a transformação do nitrogênio presente no fertilizante em amônia gasosa ou em nitrato, em vez de estarem aplicados ao redor do grânulo do produto, agora estão incorporados ao grânulo. Os produtos foram desenvolvidos no laboratório de Tecnologia de Fertilizantes da Embrapa Solos e os testes de volatilização de nitrogênio e eficiência agronômica foram realizados no Departamento de Ciência do Solo da Esalq/USP.

Perdas de mais de 40% do fertilizante

“Mais de 40% do fertilizante nitrogenado é perdido para a atmosfera quando aplicado no campo. Além disso, o fertilizante nitrogenado é um insumo caro e, em grande parte, importado”, revela o chefe-geral da Embrapa Solos, José Carlos Polidoro. “Os inibidores de urease são conhecidos há bastante tempo. Com sua incorporação aos grânulos conseguimos aumentar sua eficiência. Por isso, a vantagem competitiva do produto para a indústria é grande, já que ele utiliza um inibidor conhecido, em menor dose”, detalha.
Os inibidores de urease proporcionam menores perdas e, consequentemente, produtos com esses inibidores apresentam maior eficiência agronômica em relação à ureia perolada e aos fertilizantes comerciais revestidos com esses mesmos aditivos.
Os aditivos incorporados à ureia retardam ou prolongam o tempo de disponibilidade contínua do nitrogênio no solo, minimizando as perdas. “Dessa forma, o uso de fontes nitrogenadas à base de ureia com maior eficiência e melhor relação custo-benefício passa a ter um papel estratégico para a adubação das culturas”, afirma o pesquisador Paulo César Teixeira, da Embrapa Solos.
A ureia é o fertilizante mais utilizado na agricultura mundial como fonte de nitrogênio, e é caracterizada como fertilizante sólido granulado ou pastilhado com concentração por volta de 45% de nitrogênio.
“Dos três nutrientes mais requeridos pelas culturas, o nitrogênio é o elemento mais importante para a produtividade, que necessita ser periodicamente fornecido às plantas e representa cerca de 60% do consumo mundial de fertilizantes. A ureia é o fertilizante nitrogenado usado em maior escala na agricultura devido a características como menor preço por unidade de nitrogênio e elevada concentração do elemento. Também apresenta menor custo com fabricação, transporte, armazenagem e aplicação, apresenta alta solubilidade, baixa corrosividade e facilidade de mistura com outras fontes”, revela Teixeira. Por outro lado, a ureia é o fertilizante nitrogenado que apresenta as maiores perdas de nitrogênio por volatilização.

Quarto maior consumidor mundial de fertilizantes

O Brasil é o quarto maior consumidor de fertilizantes do mundo e o sexto produtor. Apesar dos esforços do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em nacionalizar a fabricação de fertilizantes nitrogenados, a dependência brasileira da importação aumentou nos últimos 12 anos. Os dados da Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda) demostram que de 2005 a 2016 o País aumentou sua dependência da importação de fontes nitrogenadas de 64% para 83%. Dados da Associação dos Misturadores de Adubos do Brasil (Ama Brasil) indicam que de janeiro a julho de 2017 essa dependência foi de 85%. Ainda segundo a Anda, a produção, a importação e o consumo de ureia no Brasil, em 2016, foram de 1.014.561 toneladas; 4.597.170 toneladas e 5.598.147 toneladas, respectivamente.

Rede FertBrasil

A tecnologia foi desenvolvida no âmbito da Rede FertBrasil, composta por uma estrutura de pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologia em fertilizantes no Brasil e coordenada pela Embrapa.
O objetivo geral da Rede é propor soluções tecnológicas e avanços em diferentes campos do conhecimento no desenvolvimento de novas gerações de fertilizantes e insumos biológicos para o fornecimento eficiente de nutrientes na agricultura tropical. Ela também pretende consolidar uma rede nacional de pesquisa e validação de tecnologias de fertilizantes, reconhecida pelos setores público e privado como a rede de pesquisa de referência sobre o tema.

Ureia e nitrogênio

“A ureia é utilizada para adubação na agricultura para fornecer nitrogênio para as plantas. O nitrogênio é um macronutriente primário, do qual as plantas necessitam em grandes quantidades”, explica a engenheira agrônoma Ioná Rech, doutora em ciência pela Esalq/USP que participou da pesquisa.
“A deficiência de nitrogênio nas plantas pode ser identificada nas folhas velhas, principalmente pela coloração uniforme verde-clara a amarelada”, continua Ioná. “As plantas deficientes apresentam atraso no desenvolvimento vegetativo e pode ser possível observar necrose nas pontas e margens das folhas velhas. As plantas podem apresentar deficiência de nitrogênio causada pelo baixo fornecimento desse nutriente pelo solo, e pela baixa eficiência da adubação nitrogenada devido às elevadas perdas especialmente com o uso da ureia na adubação”, detalha a especialista.
A ideia de incorporação de inibidores de urease na ureia surgiu no período em que Ioná foi bolsista na Embrapa Solos, entre 2010 e 2012. Vários trabalhos para o desenvolvimento do novo fertilizante foram realizados na Unidade. Já os estudos de avaliação do produto aconteceram durante o mestrado da cientista, realizado na Esalq/USP.
O fertilizante nitrogenado com aditivos incorporados aos grânulos é de fácil fabricação, sem necessidade de grandes adaptações nas instalações das fábricas interessadas em produzi-lo. A Embrapa detém a tecnologia, e a patente do produto foi obtida em parceria com a Esalq. A comercialização e produção do fertilizante serão feitas por meio de parceria com empresas interessadas.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

DESTRUIÇÃO DE NOSSA SAÚDE >> Bancada ruralista quer votar ‘pacote do veneno’ nesta semana


Campeão mundial no uso de agrotóxicos, Brasil pode flexibilizar ainda mais as regras para utilização de veneno na agricultura (Foto: reprodução TVT)

Dentre as medidas, deputados pretendem alterar o nome dos agrotóxicos, que passariam a se chamar “fitossanitários”, de modo a encobrir o risco do uso dessas substâncias
Todos esses agrotóxicos têm efeitos colaterais: contaminam os trabalhadores, os consumidores e o meio ambiente. A comissão especial da Câmara tem maioria de deputados ligados à bancada ruralista e defende os interesses dos grandes proprietários de terras. Estes, por sua vez, fazem uso intensivo dos agrotóxicos em culturas de larga escala. A Comissão Especial da Câmara dos Deputados pretende votar nesta semana uma série de 27 Projetos de Lei, que ficaram conhecidos como “Pacote do Veneno“. Eles visam a facilitar ainda mais as regras para registro, fabricação, comercialização e utilização dos agrotóxicos no país. O Brasil é o líder mundial na utilização de pesticidas. Entre 2000 e 2004, o consumo no país aumentou de 170 mil para 500 mil toneladas, que vão parar nas plantações e nos pastos. O veneno é usado para combater ervas daninhas, insetos e doenças que atacam as plantações.
Para o deputado federal Nilto Tatto, o Pacote do Veneno reduz o papel de órgãos de fiscalização. “Tira completamente o papel do Ibama, que avalia o impacto na área de meio ambiente, e da Anvisa, que avalia o impacto na saúde. Permite utilizar agrotóxico existentes para novas culturas, sem passar por uma avaliação desses órgãos, e centraliza no ministério da agricultura a liberação dos agrotóxicos”, disse o parlamentar em entrevista ao repórter Uélson Kalinoviski, para o Seu Jornal, da TVT.
Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), atualmente 504 agrotóxicos são permitidos no Brasil. Destes, 30% são proibidos pela União Europeia. Pelas novas regras defendidas pelos ruralistas, bastará que determinado agrotóxico seja oficialmente utilizado por qualquer um dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) para ser automaticamente regularizado no país.

 Pico do Cabugi receberá Ecoposto do Idema







A equipe do Insituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – IDEMA esteve nessa quinta-feira,10/05, em visita técnica ao Pico do Cabugi, na região central do estado. Na ocasião foi feito o reconhecimento da área que receberá, em breve, um Ecoposto do Idema, espaço físico que vai oferecer melhor estrutura e segurança para os visitantes do local. O diretor geral do IDEMA, Rondinelle Oliveira, integrou a equipe em visita e destacou as potencialidades turísticas da região.

“O Pico do Cabugi é um cartão postal do nosso estado e essa é uma região de grande potencial turístico. Vamos investir para estruturar o Parque Ecológico Pico do Cabugy e ampliar o turismo da região, de forma sustentável e com responsabilidade ambiental”, ressaltou.

Participaram também da visita técnica ao Pico do Cabugi, o Secretário de Estado do Turismo, Manuel Neto Gaspar Junior, a Supervisora do Núcleo de Unidades de Conservação (NUC), Isalúcia Cavalcante, a bióloga e gestora do Parque Estadual Mata da Pipa (PEMP), Mariana Gondim, e coordenadora do Grupo Auxiliar de Administração geral do IDEMA, Keila Moreira.

O vulcão adormecido faz parte do Parque Ecológico Pico do Cabugy. Localizado na região central do estado, no município de Angicos, o parque possui 2.164 hectares e tem o objetivo de proteger um dos raros remanescentes da atividade vulcânica do território nacional, além de conservar uma porção do bioma caatinga e estimular a atividade turística local sem comprometer o meio ambiente. O Pico do Cabugi é uma formação geológica que se eleva a 590 metros de altitude e apresenta uma diversidade significativa de atrativos naturais para o turismo ecológico e de aventura.


 RN: CURRAIS NOVOS SEDIA 21ª ExpoNovos NESTE FINAL DE SEMANA

Currais Novos sedia 21ª edição da ExpoNovos neste fim de semana

O município de Currais Novos sedia neste fim de semana (18 a 20), a 21ª ExpoNovos, exposição agropecuária que vai reunir mais de mil animais, entre bovinos, caprinos e ovinos, no Parque de Exposições José Bezerra de Araújo. O evento que já faz parte das festividades da região Seridó aquece a economia local e entorno, com comercialização de produtos e serviços. Entre os destaques da programação estão Torneio Leiteiro, Ordenha, Julgamento e Leilão de Animais, com condições facilitadas de pagamento.
A ExpoNovos faz parte do Circuito Estadual de Exposições Agropecuárias e Pesqueiras, realizada pelo Governo do RN, por intermédio da Secretaria Estadual da Agricultura, da Pecuária e da Pesca – Sape, em parceria com o Governo Cidadão/Banco Mundial, Prefeitura de Currais Novos e associações de criadores. O evento conta também com feirinha de artesanato, apresentações culturais, cursos, palestras e shows musicais.